Identidade Eugenio Montale

Carta de Identidade

Apresentação


A Scuola Italiana Eugenio Montale é a Escola Internacional Italiana em São Paulo.

A necessidade da criação de uma Escola com currículo italiano – apresentada por um grupo de pais recém-chegados da Itália – aliada ao desejo de uma comunidade, composta por personagens representativos, como instituições do governo, entidades e associações, empresas multinacionais e ítalo-brasileiras, possibilitaram a realização de um sonho.

Um sonho realizado e muitas dificuldades superadas trouxeram a Escola Italiana Eugenio Montale dos anos oitenta aos dias de hoje!

A gestão da Escola é participativa, tal qual se deu em sua criação. Associação sem fins lucrativos, regida por Sócios Fundadores e Beneméritos e por sócios Contribuintes (pais), que passam a integrar um Comitê de gestão de forma paritária, com a possibilidade também de um representante da Associação de ex-alunos integrar o Comitê.

Essa forma de gestão permite, por um lado, garantir a longevidade da instituição e, por outro, manter viva a qualidade de ensino.

A ideia de oferecer uma alternativa às escolas já existentes em São Paulo, com ênfase no currículo italiano aliado ao brasileiro, possibilitou a criação de um projeto bastante inédito: ir além da língua e da cultura italianas, oferecer matérias da área de humanas aliadas às científicas, permite a formação de alunos com uma visão ampla, inovadora e internacional.

Some-se a isso o espírito questionador, uma marca característica da cultura italiana, tão indispensável quanto possível em salas de aula com menor número de alunos.

A área didática, totalmente profissional, desenvolve uma filosofia bem precisa e inovadora e é orientada e apoiada, constantemente, pela Presidência do Comitê de Gestão e seus membros, eleitos a cada dois anos e apoiados por representantes de classe.

Da mesma forma, as áreas de Recursos Humanos, Administrativa, Financeira, Jurídica, e de Serviços são geridas profissionalmente, oferecendo a tranquilidade e o suporte necessários para que as atividades se desenvolvam adequadamente.

O corpo docente, essencial para a qualidade do ensino, é estimulado a agir com autonomia e a buscar o aprimoramento de seu conhecimento. O conjunto de professores, formados na Itália e no Brasil, oferece aos alunos visão abrangente e de valorização das várias culturas; com respeito pelas diferenças e estímulo à tolerância.

A presença mais próxima das famílias possibilita uma educação integrada ao conteúdo oferecido pela Escola. Na Eugenio Montale, tal combinação é considerada indispensável para o desenvolvimento do aluno.

O resultado é uma joia rara, reconhecida como paritária pelo Governo Italiano, que possibilita a obtenção de um diploma válido em toda a Europa, além do reconhecimento e diploma brasileiros, com o currículo, em maior parte ministrado em língua italiana e equivalente aos desenvolvidos nas escolas públicas da Itália.

Do ponto de vista acadêmico, fazer parte de um ambiente sociocultural em que se produza conhecimento e cultura e no qual se eduque na e para a diversidade é, sem dúvida, uma experiência formativa única e imprescindível para enfrentar os desafios do novo milênio com competência. A experiência didática é fundamentada no diálogo e na pluralidade, as decisões e encaminhamentos pedagógicos partem sempre do debate democrático com o corpo docente.

Por entender o processo de aprendizagem como um mecanismo que depende da interação com o outro e com o meio – da mesma forma como apresentado na Teoria Sociointeracionista – e reconhecer que este processo se dá de forma única em cada indivíduo, a escola adota metodologias variadas de ensino, a fim de atender diferentes ritmos e necessidades educacionais e estimular da maneira mais diversificada possível o desenvolvimento de cada estudante.

O currículo é concebido como um eixo norteador; vivo dinâmico e flexível por essência. Aposta numa formação integral que atende a todos os segmentos – da Educação Infantil ao Ensino Médio – embasado num projeto pedagógico que acompanha o crescimento dos alunos e visa ao seu desenvolvimento pleno.

Não é por acaso, portanto, que, no ano de 2015, a Escola foi reconhecida pelo Ministério da Educação do Brasil (MEC) como Instituição Inovadora e Criativa.

 

Proposta Pedagógica


A Proposta Pedagógica da Eugenio Montale consiste em uma educação que acredita no potencial transformador do indivíduo e na sua formação integral, valorizando:

  • A concepção do estudante como protagonista da própria formação, uma vez que todo o conhecimento deve ser construído sobre a base de uma reflexão pessoal.
  • A identidade internacional que requer um diálogo constante entre várias culturas, em especial a italiana e a brasileira, visando à construção de um mundo mais democrático, plural e diversificado.
  • O desenvolvimento pleno do aluno, envolvendo-o e estimulando-o a participar ativamente de ações formativas através de atividades culturais, ambientais e de integração social.

Tais propósitos são atingidos através de um olhar personalizado e uma ampla atuação por parte do professor, aqui entendido como importante mediador entre o educando e o saber e que investe no desenvolvimento das habilidades e competências dos alunos. Além disso, a proposta pedagógica da Eugenio Montale se sustenta na relação de confiança e cooperação entre a escola e a família. Esse diálogo é necessário para enriquecer o processo de desenvolvimento dos alunos e é vital para que escola e família tenham uma visão comum do que é a educação.

Investindo na autonomia e na autoria do percurso dos alunos, a Scuola Italiana Eugenio Montale corrobora para que seus alunos construam um lastro cultural e intelectual que lhes permita um posicionamento responsável, competente, crítico e reflexivo frente aos desafios e responsabilidades que assumirão na sociedade. Para tanto, a escola norteia seus princípios nos quatro pilares propostos pela UNESCO para a Educação do Milênio:

Aprender a conhecer

Trata-se da aprendizagem que se dá pela aquisição dos “instrumentos do conhecimento”. É aquela que se debruça sobre o raciocínio lógico, a compreensão, a dedução, a criatividade, a imaginação e a memória; em outras palavras, sobre os processos cognitivos e suas possibilidades. Mais do que isso, acrescente-se, esse trabalho consiste em despertar o desejo de desenvolver tais processos; quer sejam, a vontade de aprender, de querer saber mais e melhor, de desenvolver a habilidade de aprender: trata-se do “aprender a aprender”, para se beneficiar – efetivamente – das oportunidades oferecidas pela educação ao longo da vida.

A Eugenio Montale acredita que essa abordagem traduz sua particular visão de que a educação não deve ser apenas o meio para o fim, mas também um fim em si, uma vez que, assim, desperta a sede de conhecimento individual e ajuda, a cada um dos alunos, a utilizar as ferramentas e a desenvolver os dispositivos intelectuais e cognitivos que lhe permitam construir a própria opinião e o próprio pensamento crítico.

Para completar a busca por este objetivo, a Escola incentiva não somente o pensamento dedutivo, mas também o desenvolvimento daquele reconhecido como intuitivo e seu encadeamento. Isto porque, tão importante quanto fomentar o espírito e o método científicos no estudante, está a necessidade de ajudá-lo a chegar às suas próprias conclusões e possibilitar que ele se aventure pelos domínios do saber e do desconhecido; o que significa dar-lhe a oportunidade de que compreenda o real mediante a aquisição de autonomia e da capacidade de discernir.

Aprender a fazer

Trata-se da aprendizagem na prática, aquela que se dá pela aplicação dos conhecimentos teóricos. Para isso, todas as ações pedagógicas buscam garantir o desenvolvimento da competência que torna a pessoa apta a enfrentar numerosas situações e a trabalhar em equipe, gerenciar e resolver conflitos.

É assim que o aluno se capacita a extrair o melhor da comunicação, a reter e transmitir de maneira clara e coerente fatos e versões, a interpretar e selecionar o fluxo de informação, a analisar os acontecimentos sob as diferentes perspectivas e, se necessário, a refazer as próprias opiniões mediante novos fatos e informações.

Aprender a viver com os outros

Esse domínio da aprendizagem é aquele ao qual a Escola se dedica com maior afinco e apreço, posto que se detém sobre o campo das atitudes e dos valores.

É alçada desse domínio de aprendizagem o combate ao conflito, ao preconceito e às rivalidades. Nesse sentido, a educação é o veículo de paz, tolerância e compreensão e, como tal, deve contemplar conhecimentos que versem sobre a diversidade da espécie humana, as semelhanças e as interdependências existentes entre todos os cidadãos do planeta.

São dois, portanto, os esforços – assim combinados: a descoberta progressiva da identidade do aluno e a descoberta progressiva do outro, numa relação construída sobre a base do respeito à diversidade e mediada pelo diálogo. Tudo isso num ambiente em que os jovens trabalham conjuntamente em projetos motivadores, por vezes adotando a perspectiva do outro, com o intuito de evitar ou resolver os conflitos latentes, valorizando a coletividade em detrimento do individualismo.

Aprender a ser

Trata-se da aprendizagem que conduz ao desenvolvimento integral do indivíduo – espírito, corpo, mente, sensibilidade e responsabilidade pessoal.

À semelhança do aprender a viver com os outros, esse pilar se detém aos valores e atitudes, enfocando no desenvolvimento individual que, paulatinamente, se dará também em sociedade.

A Scuola Italiana Eugenio Montale procura criar e sustentar um ambiente educativo favorável para a interação entre educadores e alunos – e, igualmente, entre alunos e alunos – onde se produza novos conhecimentos. Reconhecendo cada membro do ambiente escolar como indivíduo que aprende e que ensina.

 

Organização escolar


Conceitos Norteadores

Considerando os princípios pedagógicos descritos acima, a Escola orienta a sua prática por meio dos seguintes conceitos:

Gestão

Responsabilidade compartilhada na construção e gestão do projeto pedagógico.

A cultura organizacional, os processos de aprendizagem e o processo de tomada de decisão da Escola seguem o sentido compartilhado de educação, que direciona o trabalho da equipe docente, a organização do espaço e do tempo e o percurso do estudante ao longo da escolaridade. Os critérios de natureza pedagógica são sempre preponderantes, possibilitando que o Projeto Pedagógico da Escola seja soberano sobre as demais decisões.

Currículo

Desenvolvimento integral

Entendendo que o Currículo extrapola as matérias e conteúdo de sala de aula, a Escola investe na consistência da formação integral, apoiando o desenvolvimento pleno do aluno nos aspectos afetivo, social, cultural e intelectual.

Construção de conhecimento e cultura

A Escola atua como espaço de construção, de conhecimento e de cultura, que conecta os interesses dos estudantes, os saberes comunitários e os conhecimentos acadêmicos. Com base nesta conexão buscamos promover um debate que permite a transformação do contexto social.

Sustentabilidade (Social, econômica, ecológica e cultural).

Consiste na integração de práticas que promovam uma forma sustentável de relação do ser humano com o contexto global.

Contempla as disciplinas obrigatórias nos programas ministeriais – italiano e brasileiro. A maioria das disciplinas é ministrada em italiano.

Ambiente

Espaço compatível com as práticas inovadoras da Escola

O ambiente físico da Escola manifesta a intenção de educação humanizada, potencializadora da criatividade e da convivência.

Ambiente acolhedor e solidário

O ambiente físico da Escola manifesta a intenção de educação humanizada, potencializadora da criatividade e da convivência.

Metodologia

Protagonismo do estudante

Os estudantes são sujeitos ativos que interagem, colaboram e constroem novos conhecimentos. Projetos interdisciplinares, debates, trabalhos coletivos, pesquisas, assembleias e outras vivências promovem o protagonismo do estudante.

Personalização

São utilizadas estratégias que consideram os estudantes em suas singularidades e garantem que todos possam aprender de acordo com seus ritmos, necessidades e perfis.

Projetos

A escola valoriza e promove a pedagogia de projetos que impactam positivamente e contribuam para a formação integral do aluno.

Avaliação

Avaliação Contínua

A avaliação do processo de ensino e de aprendizagem é realizada de forma contínua, somativa e sistemática; e os aspectos qualitativos prevalecem sempre sobre os quantitativos.

Como a avaliação do processo de ensino-aprendizagem se baseia sob uma perspectiva formativa, são consideradas também as atitudes do aluno no que refere à assiduidade nas aulas, ao seu empenho, à sua participação e também na responsabilidade com que ele assume o seu papel de estudante.

Os critérios de avaliação consideram os objetivos específicos de cada componente curricular, os objetivos peculiares de cada nível de ensino e os objetivos gerais de formação educacional que norteiam a escola.

Prática Pedagógica

Na Educação Infantil a criança é colocada, mesmo na mais tenra idade, no centro do processo, como um ser forte, potente, capaz de fazer e criar cultura. A Escola inspira-se na abordagem e nos princípios de Reggio Emilia, abordagem pedagógica nascida na Itália após a Segunda Guerra. As classes são organizadas com idades mistas, garantindo a diversidade de convivência desde a tenra idade.

A partir do Ensino Fundamental, a grade curricular se apresenta de forma delineada, porém, nunca fechada. A aquisição da escrita ganha um recorte mais específico com um processo de alfabetização simultânea. Gradualmente, a criança vai adquirindo autonomia na escrita do italiano e do português e, posteriormente, no inglês. Disciplinas como Matemática, Ciências Naturais, Física e Geografia e História Geral são desenvolvidas em língua italiana.

Além das disciplinas previstas nas escolas brasileiras convencionais, a Escola inclui – ao final do Ensino Fundamental – Economia, Desenho e História da Arte, Filosofia (com três horas semanais), Língua e Literatura Inglesa, Espanhola e o estudo do Latim – este último com três horas semanais no Ensino Médio. Música é disciplina valorizada durante todo o percurso formativo dos alunos. Ecologia e sustentabilidade são temas recorrentes e que geram os projetos interdisciplinares desenvolvidos ao longo dos anos. Também faz parte do currículo o debate permanente sobre os Direitos Humanos. Visando a uma cidadania global, a Escola investe em intercâmbios e trocas com escolas de outros continentes.

As saídas pedagógicas são realizadas periodicamente, sempre conectadas com argumentos tratados em aulas, a fim de tornar o conteúdo mais real e atrativo. São também previstas viagens periódicas à Itália com este intuito.

Como princípio pedagógico, a Escola trabalha com classes com número reduzido de alunos, favorecendo o diálogo e organizando aulas mais diversificadas. O debate e a avaliação oral são realizados em várias disciplinas, de tal forma que os alunos exercitam a oralidade e a expressão da opinião de modo constante e qualitativo.  Tudo isso numa jornada diária de 8 horas. Em alguns casos, quando são desenvolvidos projetos especiais ou cursos de apoio, a jornada pode chegar a 9 horas diárias.

As “salas – ambiente” para as aulas de artes, ciências, educação física e música são assim organizadas por questões estratégicas. Acrescentem-se as salas de uso geral – como o laboratório de informática, as salas multimídias, a biblioteca e o teatro. Constantemente, esses espaços são utilizados ao mesmo tempo por turmas e alunos de idades diferentes, como estratégia para favorecer a integração escolar e o exercício constante de convivência e respeito.

DOWNLOAD